Quem vem lá?

segunda-feira, 9 de março de 2009

A importância de ser cortês


Nos últimos dias, dois fatos aconteceram em direções opostas, mas que me fizeram pensar na mesma coisa: a importância de sermos corteses, gentis. Todo mundo anda muito louco, muito apressado, muito preocupado, sem tempo, sem grana, sem tesão pra nada. É muito tentador entrar nessa também, mas eu sempre acho que vale a pena olhar no olho de alguém sorrindo pra dar bom dia (principalmente os desconhecidos), perguntar se está tudo bem e realmente ouvir a resposta. Mas tenho que admitir que também saio da linha e meu lado “curínthia” vem à tona. Explico: Semana passada fui com duas amigas à lotada Vila Madalena. Era domingo e eu tinha acabado de ir à churrascaria, nem sei o que fui fazer num bar lotado de almofadinhas, mas enfim lá estava eu procurando uma vaga quase impossível de se achar. Foi quando vi um careca atarracado colocando a chave na porta do carro, abri a janela e perguntei pro homem mola do He –Man: “Ei amigo, vai sair?” No que ele, no auge de sua simpatia responde “Vou sim, daqui duas horas, aproveita e fica aí olhando meu carro”. Huahahha convenhamos que foi boa, tanto é que minha primeira reação foi dar risada, isso é: até eu perceber que o cara tinha sido um babaca à toa. Quando vi eu já estava com a janela do carro aberta xingando até a última geração do sujeito, com o dedo do meio em riste, totalmente transtornada. Mais transtornada que eu, estava a mulher do cara. Uma loira feia que veio cambaleando lá do outro lado afim de briga também. Bêbada, ela xingava sem nem saber o que tinha acontecido, e eu que sabia (e era uma bobagem) xingava também. O trânsito andou, eu fui embora, mas ainda sob efeito daquela adrenalina negativa, pensando uma porrada de merda. Eu havia me transformado numa pessoa louca como tantas outras que vejo, capaz de jogar o extintor no carro de alguém que nunca viu na vida (uma das merdas que pensei). Quando me acalmei fiquei tão de bode que fui pra casa refletir. De frente pra parede e chapeuzinho de cone na cabeça, vi que eu precisava ficar mais de boa nas horas que realmente eram necessárias. Que se de noite, nas minhas orações, eu pedia sempre paciência, sabedoria e generosidade, mais chances, portanto, eu teria de usá-las.
Em contrapartida, apresento o outro fato: Dia desses estava fazendo as unhas e nessas horas sempre fico meio quieta, pois não sou muito chegada em papo de salão e também nunca sei o que está acontecendo na novela. Mas reparei no esmalte vermelho que uma senhorinha ao meu lado estava passando, elogiei a cor e, sei lá como,começamos uma conversa animadíssima. Ela me contou que também tinha se formado em jornalismo, mas que não exercia, contou das filhas, do cachorro, enfim. Depois ela foi embora e as manicures contaram que aquela senhorinha era meio quieta e até meio ranzinza, que nunca tinham visto ela conversar daquele jeito. E eu perguntei “Ué, mas alguém já tentou conversar com ela?” Silêncio. Uns dias depois lá estou eu dando um talento na manicure de novo, quando cheguei a recepcionista falou que tinha uma “encomenda” pra mim e me apresentou um pequeno pacotinho com um bilhetinho grampeado, nele estava escrito “Para a jovem e doce Marina. De Olívia.” e dentro, o esmalte que eu havia gostado. Um novinho. Fiquei tão tocada, o céu se abriu, tinha música no ar. Pensei: O mundo ainda tem jeito. E eu também!

7 comentários:

André disse...

Olha, se eu estivesse aí perto, ficaria para o café.
Mas prometo que vou visitá-la sempre.
Beijos.

depoisdodoze disse...

Pois é Mazinha...
A vida é assim, nos surpeende a cada esquina...
De uma ignorância gratuita a um gesto de amor sem o menor interesse...
Vivemos assim...Temos um pouco de cada uma destas "coisas" todos os dias...
O que nos resta é escolher qual delas vamos guardar para nós...
Eu prefiro guardar o tal do amor...Sempre...
Beijo!!!

Rafael Morpanini disse...

Que se de noite, nas minhas orações, eu pedia sempre paciência, sabedoria e generosidade, mais chances, portanto, eu teria de usá-las.
Você aprendeu o grande misterio bunitinha, pedimos coisas e não vemos as nossas orações serem atendids pq queremos algo mágico...fico feliz de ver q vc tá aprendendo bunitinha...e em relação ao seu lado curintha meu DEUS eu tenho medo pq eu conheço bem huahuadois torresmo um copo d ebreja e vai curtinhtia que eu quero q vá pra merda diga-se de passagem huahua

Talita disse...

Má, o seu lado "curínthia" é foda mesmo. Vc é folgada, cínica quando tá brava, e sarcástica ao extremo. Por outro lado não conheço uma única pessoa que seja mais carinhosa, simpática e tão querida como vc. Quando as pessoas te conhecem se encantam, com seu carisma, o seu jeito, seus abraços e tudo mais. Todo mundo que te conhece depois me fala o qto vc é linda e fofa. Mas precisa mesmo controlar sua fúria de vez em quando, rsrs. É de dar medo! Só quem já viu vc quebrando um pedaço do armário com um soco pode dizer (e eu já vi, ui!),ai ai bonitinha, não tem uma criatura como vc.

malena disse...

Muito bom tudo..

Beijussss!

Beatriz disse...

Amei!

cervejaria.blackbrewer@gmail.com disse...

Gostei muito do texto!! Cheguei aqui procurando uma imagem no google... permita-me utilizar a imagem no início da postagem em uma apresentação que preparei para uma disciplina da faculdade. Vou citar os créditos. Até mais!!

Claudio.

http://blackbrewer.blogspot.com