Quem vem lá?

sábado, 15 de maio de 2010

A Virada

Hoje começa a Virada Cultural de São Paulo, tem muita coisa que tô afim de ver: Os caras do Buena Vista, Orquestra Imperial, Dicró, Cantoria, Otis Trio... Não sei onde vou conseguir estar porque fico afobada querendo aproveitar tudo. Se não me policio acabo não curtindo nada, porque estou num lugar já pensando na sequencia e assim sucessivamente.
Acho que todo mundo é assim, é natural do ser humano, quando tem muita oferta fica em choque. Em algumas situações, momentos da vida, nos vemos mesmo diante de muitas opções e é complicado eleger, abrir mão de outras coisas. Eu mesma às vezes quero tudo, e quem não quer? A Virada Cultural acaba amanhã, às 18h00, e muita gente vai continuar não sabendo o que escolher viver para ficar feliz. E vai estar num lugar pensando em outro, sempre com a sensação de estar perdendo alguma coisa. Imaginando shows em palcos apoteóticos, fantasiando perfeições, enquanto na verdade esteve ou está diante de reais e infinitas alegorias.
A última vez que estive na Virada foi quase um exercício meditativo. Bastava fechar os olhos para me transpor a outros lugares: Banheiro de rodoviária; no centro de uma roda de bêbados soltando bafo sem parar; rolando em bitucas de cigarro; ou criança, no dia que meu tio Gorditho soltou um pum sentado em mim... As pessoas maltratam muito os espaços públicos por terem a ilusória concepção de que "é de graça". Não meu camagada, não é de graça. Pagamos impostos, e não só isso, todo mundo responde pelas ruas, praças, é nosso. E existem maneiras inteligentes e higiênicas de manifetar indignação com o sistema.
E se fosse de graça mesmo, justificaria o esculacho? A gente esquece o que faz para conquistarmos as coisas, ficamos com essa impressão equivocada de que o que nos cerca está ali por estar, chegou do nada.
E para hoje, foco. Olhos, ouvidos e coração estarão atentos quando os fofos cubanos Barbarito Torres e Ignácio Mazacote oferecerem um momento de puro encanto, que não deve acabar junto ao show.

4 comentários:

!*•. Thay .•*! disse...

Já estava voltando pra cama quando vi q vc tinha atualizado *-*
E que venha essa pequenina dose de bom gosto que acontece em alguns momentos da virada =)
BjOx pekena Marina!

Camilla Aloyá disse...

Cara, eu fui até o Brás quando ao subir as escadas percebi-me pelos sintomas estar numa final do clássico corinthians e palmeiras, pensei rapidamente e sem me permitir dizer "talvez" voltei pra trás na mesmissima hora.
Andar pelas ruas mijadas de São Paulo não seria lá muito agradável pra um sabádo a noite nevoado.
Acredito que essa proposta de política pública de cultura e lazer seja falha, dizer-ei que é "um cala a boca" para a população, quando querem dizer "estamos fazendo por vcs", não funciona, a cidade não comporta tamanha população e nem mesmo as necessidades culturais e de lazer dessa galera toda. Mas esse é um longo debate. É como trazer Roberto Carlos na Concha Acústica em Santo André. (rs!)

Talita disse...

Comparações de Mazinha....
Só pra quem é.

Carol disse...

Ah sua tratante, achei que fosse te encontrar. Rumores dão conta que uma certa grandona sorridente transitava com uma cerveja na mao nos arredores da s. joão, só eu que não vejo essas coisas.
KKKKKK rachei o bico da parte "meditativa", vc mescla coisas sérias e engraçadas de um jeito muito legal. Amo ler vc, Má.
Beijokas